26 de jan de 2015

Curso: e-books e bibliotecas



Convidamos para o curso “E-books e Bibliotecas – Curso presencial em São Paulo, dia 16/03/2015 das 08h30min às 17h30min”.
  • Carga horária: 8 horas com certificado de participação;
  • Descrição: O curso visa apresentar aos participantes o universo dos e-books (livros digitais), analisando seu conceito, evolução tecnológica e introdução nas unidades de informação, identificando as alterações que proporciona ou pode vir a proporcionar aos profissionais da informação e suas atividades;
  • Objetivos gerais: Definir os e-books a partir de sua evolução e analisar as possibilidades de utilização nas bibliotecas. Serão discutidos os elementos dos e-books, as formas de licenciamento, os modelos de negócios e as formas de acesso;
  • Objetivos específicos: Analisar as atividades bibliotecárias que sofrem interferência com os e-books, analisando principalmente as questões relacionadas ao desenvolvimento de coleções, aquisição, processamento técnico e serviços aos usuários. Os e-books representam uma mudança de paradigma na forma como as bibliotecas realizam a curadoria de seus acervos, adquirem e mantem recursos e disponibilizam os recursos aos usuários finais.
 Conteúdo programático: 
  • E-books (histórico, definições, conceitos);
  • Elementos dos e-books (formato, dispositivo de leitura, plataforma, DRM);
  • Tipos de conteúdo (open access, domínio público, auto publicação, licenciado);
  • Tipos de fornecedores (editores, agregadores, distribuidores, autores);
  • Aquisição x Licenciamento (teoria da primeira venda, teoria do uso justo);
  • Modelos de negócios (aquisição perpétua, assinatura, DDA, STL);
  • Acesso (plataforma e aos conteúdos);
  • Empréstimo digital (e-books e dispositivos de leitura) e aluguel;
  • Atividades bibliotecárias (desenvolvimento de coleções, gestão de conteúdo digital, competência em informação, privacidade de usuários, descarte, processamento técnico etc.);
  • Serviços oferecidos aos usuários;
  • Critérios para seleção de fornecedores de e-books;
  • Vantagens e desvantagens
Docente: Liliana Giusti Serra

Mestranda do Programa de Pós Graduação da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). Bibliotecária especialista em Gerência de Sistemas de Informação formada pela Fundação Escola Sociologia e Política de São Paulo. Pesquisadora sobre o tema com publicações e contribuições em blogs, congressos, revistas, jornais etc. Autora da obra Livro digital e bibliotecas, editado pela Fundação Getúlio Vargas.
Detalhes com:
Irene Butti
Irene Butti
skipe : irene.butti
watsapp : (11) 9 9718-0588

Coxim (MS): projeto férias na biblioteca



Fonte: Horizonte (MS). Data: 25/01/2015.
URL: www.horizontems.com.br/noticias-ler/projeto-vem-que-tem-ferias-na-biblioteca-e-um-sucesso-em-coxim-/7994
A Biblioteca do Conhecimento - SESI Projeto “Vem que tem ... Férias na Biblioteca” está desenvolvendo o projeto: “Vem que tem... Férias na Biblioteca” durante o período de férias (de 12 a 31 de janeiro. O público alvo é as crianças frequentadoras da biblioteca e comunidade em geral. O objetivo é incentivar o hábito da leitura, através de atividades lúdicas como a leitura de livros infantis e atividades pedagógicas, além de proporcionar à comunidade oportunidades de lazer e conhecimento.
Segundo a coordenadora da Biblioteca, Agripina Maria de Souza a ideia é fazer com a biblioteca seja um espaço aconchegante onde as pessoas possam se sentir a vontade e que o conhecimento possa ser processado de maneira prazerosa e natural. “Temos livros para atender crianças até de um ano, aonde elas vão tomando gosto pela leitura por conta do formato, das cores, e materiais utilizados na confecção do livro já as atrai. Portanto, de maneira lúdica, ou seja, ensinamos e fazemos com que elas aprendam se divertindo”.
A programação do Projeto “Vem que tem ... Férias na Biblioteca” acontece todas as segundas e quartas-feiras – Lê uma história pra mim- com leituras de historias infantis. Nas terças e quintas-feiras - Oficina de desenho – com varias atividades de desenhos para as crianças. E nas sextas-feiras – Cineminha com pipoca- com exibição de desenhos e filmes infantis. As oficinas acontecem diariamente, no período matutino das 8 às 9 horas e no período vespertino das 14 às 16 horas.
Mães, crianças e adolescentes estão adorando a iniciativa que até hoje, terça-feira 16 de janeiro, já contou com a presença de cerca de 150 frequentadores. A farmacêutica, Carla Rodrigues está encantada com o projeto: “Adorei o espaço da biblioteca, muito bem organizado. Um ambiente climatizado muito agradável. É um a ótima opção para as nossas crianças com muita informação e lazer.”
Já Wesley Morais Alves, 11anos está descobrindo que ler também é divertido: “Não imaginava que uma biblioteca podia ser tão legal! Aqui a gente pode aprender brincando, os livros são bem coloridos, com uma decoração diferente que nem parece biblioteca, mas o que eu mais gostei foi o cineminha”, finalizou.
Além do Projeto “Vem que tem ... Férias na Biblioteca”, a Biblioteca do SESI funciona de segunda a sexta-feira das 7 às 11 horas e das 13 às 17 horas. Foi inaugurada em 20 de novembro de 2013 com o intuito de oferecer acesso à cultura, educação e aprendizado para toda a população coxinense.
A Biblioteca do SESI conta com mais de 2600 exemplares, além de oito computadores com acesso a internet. São cerca de mil usuários cadastrados no sistema, mais de dois mil atendimentos por mês. Além do acesso aos livros, a biblioteca disponibiliza outros serviços como: Oficina de incentivo à leitura, Curso iniciação tecnológica da Lego, que em breve será implantada a 3ª etapa, Projeto de Incentivo à Leitura e a partir deste ano começará Ações Sociais com palestras educativas. Localizada na Avenida Salgado Filho sem número, Centro, telefone para contato (67) 32913763.
 “É um imenso prazer ver nossa criançada se divertindo e ainda aprendendo. A Biblioteca do SESI é um espaço agradável, pronto para atender nossa população com acervo de livros, que vão desde o público infantil até os adultos que estão estudando para prestar concurso. Sem contar com o acesso à internet e as oficinas oferecidas durante todo o ano. Sem dúvida nenhuma nós coxinenses ganhamos muito com a implantação da biblioteca. Faço um convite, se nossos moradores ou visitantes não conhecem, vale a pena conferir”, finalizou o prefeito Aluizio São José.

Justiça nega indenização a aluno que teve notebook furtado em biblioteca



Fonte: Portal G1. Data: 25/01/2015.
URL: http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/2015/01/tj-nega-indenizacao-aluno-que-teve-notebook-furtado-em-biblioteca-no-df.html
Estudante foi ao banheiro e deixou eletrônico na mesa; cabe recurso.
Juiz entendeu que empresa não tinha o dever de cuidar dos bens do aluno.
O juiz do 1º Juizado Especial Cível de Brasília negou pedido de indenização por danos moral e material a um estudante que teve o notebook furtado na biblioteca de uma faculdade no Distrito Federal. Cabe recurso à decisão.
De acordo com a ação, o estudante foi ao banheiro e deixou o notebook na mesa da biblioteca. Quando ele voltou, não encontrou mais o eletrônico no local.
O juiz entendeu que como não havia contrato de depósito, a empresa prestadora de serviços não tinha o dever de fazer vigilância sobre os bens do estudante, "a quem compete a guarda deles".
 "Logo, configurada está, na hipótese em apreço, uma excludente de responsabilidade da ré consubstanciada na culpa exclusiva do consumidor, que agiu com falta de dever de cuidado. Por consequência, configurada uma das excludentes da responsabilidade civil, não subsiste qualquer dever de indenizar", diz a sentença.

23 de jan de 2015

Os livros mais disponibilizados pela Fundação Dorina

A Fundação Dorina Nowill para Cegos disponibiliza para pessoas com deficiência visual em todo o Brasil o empréstimo de livros em áudio produzidos pela instituição. São mais de 2.500 títulos, de diferentes autores e gêneros, disponíveis para empréstimo gratuito às pessoas cegas ou com baixa visão.
Em 2014, foram mais de 11 mil empréstimos e o áudio livro mais pedido foi Jesus, o maior psicólogo que já existiu, de Mark W. Baker. Na segunda posição, ficou O caçador de pipas, de Khaled Hosseini e em terceiro lugar, Anjos e demônios, de Dan Brown. Para utilizar o serviço de empréstimos é preciso preencher ficha de cadastro específica, que pode ser feita pessoalmente, via correio, e-mail ou pelo site [URL: www.fundacaodorina.org.br].
O envio e devolução dos livros em áudio são feitos gratuitamente via cecograma, serviço postal destinado às pessoas cegas. O atendimento acontece de segunda a sexta-feira, de 8h às 17h.
Os dez títulos mais pedidos são:
1. Jesus, o maior psicólogo que já existiu – Mark W. Baker
2. O Caçador de Pipas – Khaled Hosseini
3. Anjos e demônios – Dan Brown
4. Nunca desista de seus sonhos – Augusto Cury
5. O Código Da Vinci - Dan Brown
6. A menina que roubava livros – Markus Zusak
7. Fortaleza digital – Dan Brown
8. Ponto de Impacto – Dan Brown
9. Trilogia Cinquenta tons de cinza - E. L. James
10. Ensaio sobre a Cegueira - José Saramago


Fonte: Fundação Dorina 

Lessa fica na BN

Fonte: O Globo. Data: 23/01/2015.
Autoria: Ancelmo Gois.

Em sua coluna, Ancelmo Gois adianta que o ministro [da Cultura] Juca Ferreira convidou o cientista político Renato Lessa para continuar como presidente da Fundação Biblioteca Nacional.

Colecionadores de livros autografados garimpam sebos

Fonte: Folha de S. Paulo. Data: 21/01/2015.
Autoria: Gabriela Sá Pessoa.
Paulo Fugulin é o primeiro a pegar o autógrafo da escritora espanhola Megan Maxwell durante a sessão de autógrafos do romance Adivinha quem sou (Essência/Planeta), realizada em uma livraria em São Paulo. Sob xingamentos das cerca de cem fãs de autora, ele fura a fila organizada pela editora. Fugulin usa a tática que descreve como "pular na jugular do escritor", entrega seu exemplar, a autora autografa, pega-o de volta e sai apressado da livraria. Ele é o único homem no evento. Um fã tímido de romances açucarados e eróticos? Não exatamente. Até aquele dia, Fugulin nem sequer tinha ouvido falar da autora. "Ela é uma escritora internacional, já fez a viagem dela. Agora, eu tenho que fazer a minha", explica. A "viagem" em questão é o hobby que o economista de 36 anos mantém há três anos: colecionar edições autografadas.
Em sua biblioteca com cerca de mil exemplares, mais de 300 são autografados. A coleção de dedicatórias cresce a um ritmo de três novos títulos por semana, com Fugulin garimpando sebos, "dando uma de stalker [perseguidor]" de escritores (foi à casa de Lygia Fagundes Telles) e frequentando lançamentos.
"O colecionismo não tem uma explicação lógica", diz o livreiro Gilvaldo Santos, do sebo O Buquineiro, em São Paulo, especializado em edições raras e em itens autografados.

Ramon Rodrigues, livreiro da Babel Livros, no Rio, diz que os compradores de autografados têm, em média, 40 anos, e preferência por literatura brasileira. "O valor mais alto que vendi foi uma edição de Dom Casmurro autografada por Machado de Assis, por R$ 24 mil, já deve ter uns cinco ou seis anos", diz Rodrigues.

Proteção de dados pessoais

A partir de 28 de janeiro, o Ministério da Justiça inicia uma série de debates públicos sobre a regulamentação do Marco Civil da Internet (Lei 12.965/2014) e sobre o anteprojeto de lei para a Proteção de Dados Pessoais. Ainda que já esteja em vigor, a lei precisa ser regulamentada em alguns pontos e a intenção do governo é fazer este trabalho em conjunto com a sociedade civil, utilizando a mesma plataforma participativa adotada durante as discussões sobre o Marco Civil da Internet. As sugestões poderão ser encaminhadas ao poder Público por meio de dois portais na internet, que serão lançados nos próximos dias.
Na avaliação do Ministério da Justiça, é preciso se criar um marco legal de proteção de dados, “baseado no consentimento e no uso legítimo dessas informações, ferramentas de exercício de direitos e padrões mínimos de segurança e privacidade para o cidadão”. Desta maneira, o Brasil seguiria uma tendência mundial de regulamentação do setor, uma vez que mais de cem outras nações já o fazem.
“A participação de cada cidadão com ideias, críticas e avaliações é fundamental para que possamos construir uma regulamentação moderna e adequada às necessidades da sociedade”, afirmou o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.


Fonte: Ministério da Justiça e do Blog do Planalto.

21 de jan de 2015

Panorama da ilustração brasileira na Biblioteca Nacional

Data: 20/01/2015.
Fonte: Ministério da Cultura.
A Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro, abre as portas para a exposição "Brasil: Incontáveis linhas, incontáveis histórias, um panorama da ilustração brasileira". Com curadoria da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) e da Fundação Biblioteca Nacional (FBN), a mostra apresenta importantes obras do acervo da Biblioteca Nacional, além do trabalho dos 55 ilustradores contemporâneos de livros para crianças e jovens. A visitação é gratuita e segue até fevereiro de 2015.
As ilustrações contemporâneas dos 55 autores foram selecionadas originalmente para a 51º Feira do Livro para Crianças de Bolonha, na Itália, ocorrida em março de 2014, onde o Brasil foi o país homenageado. A exposição destaca ainda dois importantes nomes da ilustração brasileira: Ziraldo e Roger Mello.
Ziraldo, cuja trajetória de autor e ilustrador é um símbolo da criação de livros para a infância e a juventude, é o grande homenageado desta exposição. Já a mostra Roger Melo e seus Jardins, realizada pela FNLIJ em comemoração ao Prêmio Hans Christian Andersen-2014 foi agregada à exposição.

Por iniciativa do Ministério da Cultura (MINC) e do Ministério das Relações Exteriores (MRE), a exposição foi apresentada na Biblioteca Infantil de Moscou e na Biblioteca Central Lermontov de São Petesburgo. Esta foi a primeira itinerância da mostra. Também foi apresentada, com os originais, na 23ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, em agosto de 2014, com apoio do Sesc-SP.

Porto Velho (RO): biblioteca pública completa 40 anos

Fonte: Rondônia ao Vivo. Data: 20?01/2015.
URL: www.rondoniaovivo.com/noticias/biblioteca-municipal-francisco-meirelles-comemora-40-anos-de-atividades/123734#.VL-LK8vwupo
A Biblioteca Pública Municipal Francisco Meirelles completa no dia 24 de janeiro quarenta anos de inauguração. Segundo informou Adson Kleber e Lucileyde Feitosa, respectivamente o diretor e a administradora da Biblioteca, diversas atividades serão promovidas ao longo de todo este ano para comemorar a data festiva.
A Francisco Meirelles foi criada administrativamente em 1973 e construída em 1974, quando o prefeito do município era Jacob Atalah, mas sua inauguração se deu em 1975, sob a gestão de Antônio Carlos Carpinteiro.
O edifício original foi erguido em alvenaria com um só piso. Em 2003, a Biblioteca sofreu modificações, passando a ostentar sua arquitetura atual, com dois pisos. Durante o período de reformas ela foi temporariamente instalada no prédio de uma antiga danceteria localizada na esquina das ruas Duque de Caxias com José Bonifácio.
Após os dois anos de reformas, com sua reabertura a Francisco Meirelles passava a ofertar melhores acomodações para aos seus usuários, aumento do acervo, climatização nos ambientes e melhores condições de trabalho para os funcionários. “Porém, quando assumimos a direção, no começo de 2013, ela já vinha de uma fase de decadência. Por oito anos não foram feitas reformas e houve deterioração de muitos espaços e instalações”, disse Adson Kleber, informando também que muitos serviços precisaram ser feitos para a revitalização de todo o ambiente. “Procuramos o Exército, na pessoa do General Poty, que nos ajudou bastante. A Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed), deu-nos todos os materiais necessários para os trabalhos de revitalização e o Exército forneceu a mão de obra. Durante um mês a Biblioteca ficou paralisada para a reforma dos banheiros, retirada de infiltrações e para receber nova pintura. Também foram reinstalados os aparelhos de climatização dos ambientes, pois nenhum funcionava mais”, afirmou.
Aos poucos a Biblioteca passou a recuperar sua clientela. Foi instalada rede de Internet sem fio, o corredor de entrada passou a ser utilizado como uma galeria para exposições de obras de artes regionais, o auditório passou a ser muito usado para palestras e conferências. “Muitos eventos foram realizados aqui ao longo de 2013 e 2014. A Biblioteca foi transformada em um espaço cultural mais ampliado. Não apenas a leitura tem sido valorizada, mas ocorrem também mostras de artes visuais e de filmes, acontecem defesas de dissertações de mestrado, lançamentos de livros, enfim, há uma grande gama de eventos culturais que têm sido realizados. Outro fato a destacar é a aproximação da Biblioteca com a Academia de Letras de Rondônia e com a Universidade Federal de Rondônia”, ressaltou Lucileyde Feitosa.
Para o ano de 2015, em comemoração aos 40 anos e também em comemoração ao centenário do município, vigente até o mês de outubro, a Biblioteca Francisco Meirelles oferecerá aos portovelhenses e visitantes do município diversos eventos. Embora a data certa de comemoração seja 24 de janeiro, no dia 11 de fevereiro, em virtude do pedido da Semed para que se esperasse até o completo retorno de muitos funcionários que se encontram em recesso ou férias, haverá uma programação denominada de Café Regional, onde antigos e novos funcionários, como também importantes usuários, darão seus depoimentos sobre a importância da Biblioteca para suas vidas pessoais e para a formação cultural dos cidadãos de Porto Velho.

Esse evento marcará oficialmente a comemoração pelos 40 anos, mas será apenas a abertura dos trabalhos comemorativos, em março será feito um ciclo de palestras sobre a contribuição feminina na literatura, em abril será realizada uma nova edição do evento Leitura na Praça, em maio haverá ciclos de palestras sobre povos e comunidades tradicionais e, sucessivamente, durante os demais meses do ano muitas atividades serão realizadas. “Vamos comemorar os quarenta anos levando à sociedade portovelhense o que há de mais importante no legado da Biblioteca, formação, cultura e entretenimento. Queremos ofertar esses elementos por meio dos livros e também por meio de eventos e programações culturais”, finalizou Lucileyde.