3 de mar de 2011

Chefes de Mozilla e Opera rebatem "morte da web"

Autor: Diogenes Muniz.
Fonte: Folha de S. Paulo. Data: 3/03/2011.
A web está morta, anunciou, em setembro de 2010, a revista "Wired". Nada disso, quem vai morrer são os apps para dispositivos móveis, respondem agora, em coro, os chefes da Mozilla e da Opera Software, na maior feira de tecnologia do mundo, a Cebit.
Uma breve sinopse desta batalha: a web é a interface gráfica por onde navegamos, desde 1992, usando os "browsers" --como o Internet Explorer, da Microsoft, o Firefox, da Mozilla, e o Opera. A morte deste universo relativamente livre, anunciada pela polêmica revista norte-americana, ocorreria por conta do avanços dos aplicativos para dispositivos móveis, negociados em ambientes fechados como a App Store, da Apple.
Wired" anuncia o fim da internet em uma edição de 2010; executivos de Mozilla e Opera rebatem a tese na Cebit.
Mas Gary Kovacs, executivo-chefe da Mozilla, e Jon von Tetzchner, cofundador da Opera, não veem as coisas dessa forma. A dupla falou aos visitantes e jornalistas nesta quinta-feira (3), na Alemanha.
"Só precisamos solucionar esse problema comum chamado plataforma, e a questão toda gira em torno do fato de que a web é a plataforma", disse Kovacs. Segundo ele, o mercado de app para web é potencialmente maior do que o mercado de apps para aparelhos móveis, já que existem cerca de 3 milhões a 5 milhões de desenvolvedores comparados com os mais de 50 mil que trabalham fazendo programinhas para sistema Android (do Google) ou iOS (da Apple).
"Faz-se muito barulho sobre os mais de 350 mil aplicativos na Apple Store. É impressionante, ótimo, mas quantos sites existem por aí?", questionou von Tetzchner.
Ambos apostam em aplicativos para web que rodariam de forma nativa nos navegadores, ou seja, apareceriam automaticamente em nossas telas sem precisarem ser baixados, como acontece com os aplicativos móveis.
ALIADOS POR ORA
Embora tenham se unido para combater um inimigo em comum, que ameaça o modelo de negócio com que trabalham, os desenvolvedores de navegadores para web têm sua própria guerra particular, que já dura décadas.
O Internet Explorer ainda é o líder deste mercado, com 59,26% de participação. Logo em seguida, vem o Firefox, da Mozilla, cujas versões totalizam 22,82% do mercado. O Chrome vem com participação de 8,47%, enquanto o Safari figura com 5,33%. O quinto navegador mais usado é o Opera, cuja participação é 2,28%.
Kovacs aproveitou a Cebit para informar que a versão final do Firefox 4 sairá em até um mês, com suporte para conteúdo na linguagem HTML5, sucessora do Flash.

Nenhum comentário: