19 de mar de 2014

Ausência de computador e acesso caro ainda são barreiras à Internet

Autoria: Luís Osvaldo Grossmann.
Fonte: Convergência Digital. Data: 14/03/2014.
O Brasil costuma aparecer com destaque em estimativas sobre o uso da Internet, figurando como um dos países – quando não o país – onde se passa o maior número de horas conectado ou, ainda, um dos campeões de presença em redes sociais. Mas conforme demonstra um novo estudo do Ipea, entrar na rede segue longe de mais da metade dos domicílios brasileiros. No geral, 40,8% dos lares têm acesso à Internet.
Segundo o Sistema de Indicadores de Percepção Social que este ano teve como foco os serviços de telecomunicações, a falta do computador segue como fator preponderante. Esse equipamento existe em 48% dos lares, conforme o levantamento realizado em junho de 2013.
Não ter computador é o principal motivo da falta de acesso à Internet nos domicílios do país, sendo a razão elencada em 59,6% dos lares. Em seguida vem o custo – 14,1% indicaram não ter condições de pagar pelo acesso. Outros 8,7% sustentaram não ter interesse enquanto 4,3% alegaram não saber utilizar.
Curiosamente, como destacou o Ipea, em uma parcela considerável de lares o computador sequer faz parte da lista de desejos: quase “um terço dos respondentes, 29,3%, declarou que não está disposto a pagar pela posse do equipamento”.
Planos desconhecidos
Mesmo entre aqueles que usam a Internet, a pesquisa mediu um considerável desconhecimento sobre os serviços contratados. Por exemplo, em 38,7% dos domicílios se desconhece se o plano tem limitação de volume de dados. “E, pior, 25,4% acreditam que não tem limite”, diz o técnico do Ipea José Maria de Oliveira.

Para ele, os resultados indicam a falta de transparência na oferta desses serviços. Especialmente quando o mesmo levantamento indica que 31,6% dos respondentes declararam não saber qual era a velocidade contratada. Cenário ainda mais grave nas regiões Norte e Nordeste, onde mais da metade dos entrevistados desconhece a informação: 58,7% e 52,1%, respectivamente.

Nenhum comentário: