10 de out de 2015

Artigo sobre letramento em informação



O letramento informacional e a Base Curricular Comum Nacional


O letramento informacional e a Base Curricular Comum Nacional
Vivemos numa
época em que a informação se torna protagonista na vida da sociedade na mídia, na educação, nas relações de trabalho, na cultura, na política e na economia. Mais especificamente no campo da educação, a pergunta que fazemos a todo instante é: Como os estudantes lidam com o universo informacional? Eles estão preparados adequadamente para viver e trabalhar na sociedade da aprendizagem? Denomina-se sociedade da aprendizagem o espaço de fluxos informacionais, que conjuga a gigantesca produção de informacao, a utilizacao intensiva de tecnologias eletrônicas em rede e o intenso processo de aprendizagem permanente.
Viver nesta sociedade requer que os indivíduos desenvolvam competências informacionais. O conceito de letramento informacional (information literacy) surgiu a partir da década de 1950, nos Estados Unidos, justamente com a preocupação de preparar pessoas para lidarem e fazer uso efetivo da informação, seja no espaço escolar formal, seja para resolver problemas de trabalho ou tomar decisões.
Diversos países têm implementado programas de letramento informacional nas escolas por exemplo, Estados Unidos, Canadá, Austrália, Portugal, Reino Unido, entre outros. Esses programas envolvem biblioteca com boa infraestrutura, bem como professores e bibliotecários trabalhando em conjunto com metodologias adequadas a cada etapa da educação básica. De acordo com os pressupostos da Associação Americana de Bibliotecas, o programa de letramento informacional na escola deve abranger capacitação para o acesso e uso da informação, para o aprendizado independente e para o uso da informação com responsabilidade social.
O letramento informacional abarca conteúdos de aprendizagem relacionados com a pesquisa científica, quais sejam, a identificação do problema, a busca e a avaliação das informações e dos vários pontos de vistas, o uso ético e a organização da informação, bem como a comunicação e compartilhamento do conhecimento.
Presencia-se, no Brasil, o momento especial de construção da Base Nacional Comum Curricular (BNC) da educação básica, que tem o objetivo de identificar os conhecimentos fundamentais que os estudantes brasileiros devem ter acesso para viver plenamente na sociedade contempôranea. Esses conhecimentos devem constituir a base comum do currículo das escolas brasileiras, que deverá ser complementada por questões regionais/locais.
A proposta inicial da BNC, disponível no site do Ministério da Educação, não contempla a indicação dos conteúdos de letramento informacional. Além disso, não conta com apoio de pesquisadores atuantes nessa área de pesquisa. Portanto, cabe questionar se o novo currículo contém conteúdos para ensinar às crianças e aos jovens que fazer pesquisa não é copiar e colar informação da internet? Mais ainda, ensina como podemos buscar informação de qualidade em bibliotecas e na internet? Como desenvolver o gosto pela leitura e pelos livros desde criança? Como compreender o funcionamento da ciência?
A menção ao assunto biblioteca é praticamente inexistente nos conteúdos da BNC, como em muitas escolas públicas brasileiras. Bibliotecas escolares são instituições que organizam e disponibilizam informação; mais ainda, possuem profissionais bacharéis em biblioteconomia com a formação necessária para ajudar os estudantes a buscar informação e transformá-la em conhecimento. Vale destacar que diversos estudos nacionais e internacionais demonstram que bibliotecas escolares bem estruturadas, com a atuação de bibliotecários, propiciam melhor desempenho no aprendizado das crianças e jovens.
Assim, o ensino dos conteúdos de letramento informacional deve estar integrado ao currículo, em consonância com as demandas de cada série, ao longo da educação básica. A proposta de inclusão desses conteúdos fundamenta-se na firme convicção de que o objetivos da BNC só podem ser alcançados por meio do reconhecimento da importância do letramento informacional para aprender a buscar e usar a informação efetivamente para resolver problemas, tomar decisões e para viver melhor, além do reconhecimento da contribuição da biblioteca escolar e do bibliotecário na aprendizagem.
Correio Braziliense, 10/10/2015

Nenhum comentário: