21 de fev de 2015

USP: biblioteca contamina por DDT ficará fechada

Fonte: UOL. Data: 20/02/2015.
Autoria: Marcelle Souza.
URL: http://educacao.uol.com.br/noticias/2015/02/20/com-livros-contaminados-por-ddt-funcionarios-fecham-biblioteca-na-usp.htm
Os funcionários da Biblioteca Florestan Fernandes, da FFLCH-USP (Faculdade de Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP), começam na segunda-feira (23) uma paralisação em protesto contra a manutenção no local de 9.200 livros que estão contaminados com produtos tóxicos. A direção afirma que os volumes do acervo têm valor bibliográfico "inquestionável".
Segundo laudo do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas), livros do acervo doado à FFLCH estão contaminados com substâncias tóxicas, entre elas o DDT --um inseticida proibido em todo o país desde 2009 por fazer mal à saúde-- e seus derivados.
"Eu tive várias manchas pelo corpo, que coçavam muito. Também tive muitas dores no corpo, os médicos não sabiam o que era, e fiz vários exames para detectar câncer, que é uma das coisas que esses produtos fazem com o corpo do ser humano", diz uma funcionária que não quis se identificar.
O Sintusp (sindicato dos funcionários da USP) diz que os primeiros sintomas começaram a ser relatados em março do ano passado, entre eles dores de cabeça, no corpo, náusea, sangramento do nariz, dor de garganta, inchaço dos olhos, vermelhidão e coceira no corpo.
Os funcionários dizem que imediatamente avisaram a direção da biblioteca e da FFLCH dos sintomas que teriam sido causados pelo pó branco (DDT) depois que os livros foram doados à unidade. "A direção sabe desse problema há um ano. Primeiro foram os alunos, monitores, que relataram problemas de saúde, depois foram os funcionários. Nada foi feito. Na minha seção, todos ficaram doentes na mesma época, com sintomas parecidos, como dor de cabeça, vômito e alergia. Não é coincidência", diz uma funcionária.
Ela afirma que os livros doados estão no segundo piso da biblioteca, separados apenas por um tapume do resto do acervo.
"Isso gera grande insegurança, pois não há como garantir que essa substância, um pó branco, não tem potencial dispersivo e que não esteja sendo espalhado por ventiladores e ar-condicionado, contaminando toda a biblioteca", afirma a nota divulgada pelo sindicato na quinta (19).
"A paralisação é pelo envio desses livros para um local seguro, pela preocupação também com os milhares de estudantes que voltam à faculdade nessa semana [as aulas na USP começam no dia 23], para que não se deixe chegar mais uma vez a uma situação dramática como aconteceu em outros casos", afirma Bruno Rocha, diretor do Sintusp, em referência à contaminação da USP Leste.

Contaminação

Em nota, a direção da FFLCH diz que os livros foram higienizados em 2013 e em abril de 2014 foi identificado um pó branco em cinco livros do acervo. Assim que tomou ciência, diz no texto, providenciou avaliações de saúde dos funcionários que apresentaram sintomas.
"Não temos até o momento como avaliar a extensão desses agentes químicos em toda a coleção, razão pela qual o termo, corrente nos documentos sindicais, de 'contaminação do acervo' não pode ainda ser cientificamente confirmado", diz a direção em nota.
O texto ainda informa que nenhum especialista "recomendou retirada da coleção do espaço em que se encontra ou apontou para o risco de contaminação da biblioteca a partir das atuais condições de acomodação".
A direção afirma que não dispõe de outro local para transferir o acervo, o que é pedido pelos funcionários, e que já foram aprovados recursos para que a coleção seja higienizada por uma empresa terceirizada. Não há data, porém, para que o serviço seja realizado.

A biblioteca ficará fechada, segundo os funcionários, por tempo indeterminado a partir de segunda-feira (23).

Nenhum comentário: