11 de ago de 2015

Bibliotecas podem aquecer vendas de e-book



Com a aparente estabilização do mercado de varejo de ebooks, uma antiga preocupação das principais editoras norte-americanas, as Big Five, pode se tornar um caminho para reaquecer as vendas: flexibilizar os termos de licenciamento de ebooks para bibliotecas. Ao menos é o que defenderam executivos das distribuidoras OverDrive, 3M e Baker & Taylor ao Library Journal.
Em 2014, as vendas de ebooks cresceram 3,8% – o que não é ruim, mas não se compara com índices de anos anteriores. Dessa forma, reforçar as vendas institucionais deve se tornar prioridade.
De acordo com o CEO da OverDrive, Steve Potash, “ainda há muito o que crescer (em vendas) institucionais, e há oportunidades significativas para crescimento com educação. Com o varejo estável, é preciso experimentar”.
Já David Cully, da Baker & Taylor, lembrou que as editores sempre temeram desenvolver modelos de empréstimo de ebooks porque queriam garantir que esses modelos não afetassem as vendas do varejo. Assim, consagrou-se o modelo “um livro, um usuário”. Contudo, com as principais editoras competindo por fatias do mercado institucional, os termos para bibliotecas tendem a ficar mais flexíveis. “Creio que a tendência é de que, com o tempo, os modelos das editoras se estabilizem e se tornem similares. Mas ainda estamos nos primeiros estágios”, projeta Cully.
Tom Mercer, gerente de marketing da 3M ressalta que “as editoras estão avaliando seus modelos agora que já faz um tempo que estão no mercado de bibliotecas. Acho que a maioria delas acredita que bibliotecas são um bom negócio para participar. Não diminuem as vendas para o consumidor”.
Texto original: Library Journal

Nenhum comentário: