6 de jul de 2016

Salvador: biblioteca pública fechada por falta de vigilantes

Fonte: Tribuna da Bahia. Data: 28/06/2016.
URL: www.tribunadabahia.com.br/2016/06/28/sem-vigilantes-biblioteca-dos-barris-fecha
Salvador – capital que dispõe da primeira biblioteca pública da América Latina há 205 anos – foi taxada, ontem, de ser o “único lugar no mundo em que uma biblioteca impede o acesso de leitores aos livros”. A crítica foi emitida pelo italiano Giuseppe Sabatino, residente há 20 anos na Bahia.
Ele esteve com a companheira para pegar livros emprestados, como disse fazê-lo costumeiramente, “mas desde o dia 10 tenho encontrado a Biblioteca Central, aqui nos Barris, com as portas fechadas”, privando, não só a ele, diga-se, mas a uma média superior a cinco mil leitores mensais que frequentam o equipamento. Isabel Neves, estudante de Farmácia, lamentou o “funcionamento apenas interno”. Ela queria fazer a “doação de 20 livros de literatura, para que outras pessoas também possam lê-los”.
O fechamento da Biblioteca Pública decorre da suspensão do serviço de segurança por orientação do Sindicato dos Vigilantes. O pessoal é contratado da Java Segurança Patrimonial, empresa terceirizada que completa quatro meses nessa quinta-feira sem receber pagamento pelo serviço de proteção às cinco bibliotecas que integram o sistema em Salvador. A dívida já chega aos R$ 880 mil.
Somente na Biblioteca Central, estão lotados 23 seguranças, agora de braços cruzados. Chegaram a ter os portões fechados por dois dias, mas já retomaram as atividades as bibliotecas Juracy Magalhães Jr, no Rio Vermelho, a infantil Monteiro Lobato, em Nazaré; a Thales de Azevedo, no Costa Azul e a Anísio Teixeira, especializada em materiais para surdos e mudos, no Pelourinho. Há, ainda, a Biblioteca Virtual Consuelo Pondé de Sena, uma instância online, disponível na Internet.
A suspensão da segurança, há 17 dias, no caso do Complexo Cultural dos Barris, afeta ainda equipamentos como o Espaço Xisto e a Sala de Meio Ambiente Milton Santos, gerida pela Sema-Secretaria Estadual de Meio Ambiente. A Sala Walter da Silveira e a Galeria Pierre Verger, subordinadas à Dimas-Divisão de Audiovisual da Fundação Cultural do Estado, todavia, permaneciam funcionando ontem, após o recesso do São João, entre os dias 23 a 26.

A suspensão do pagamento, segundo servidores da Biblioteca Central que preferiram não se identificar, “até onde se sabe decorre da contingência de recursos determinada pelo Governo do Estado diante da crise financeira que atinge o País”. (...)

Nenhum comentário: