29 de jan de 2013

500 anos da biblioteca da Universidade de Coimbra


Fonte: RTP Noticias e Agência Lusa. Data: 28/01/2013.

URL: www.rtp.pt/noticias/index.php?article=623367&tm=4&layout=121&visual=49

A Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra (BGUC) vai assinalar 500 anos de existência com um programa que inclui, em 2014, um congresso internacional em que participarão instituições congéneres de vários países.


Oficialmente, o programa comemorativo arranca já em fevereiro, com uma cerimónia a meio do mês, em data ainda por definir, para a qual "o Governo foi convidado" a fazer-se representar, disse hoje o diretor da BGUC, José Augusto Cardoso Bernardes.

Subordinado ao tema "A biblioteca universitária: permanência e metamorfoses", o congresso internacional, em que intervirão dezenas de especialistas nacionais e estrangeiros, designadamente oriundos do Brasil, Alemanha e Estados Unidos, entre outros países, decorre entre 16 e 18 de janeiro de 2013, na fase final do programa do meio milénio de atividade da BGUC.

Não se conhece "nenhum documento oficial" atestando a fundação da biblioteca da primeira universidade portuguesa, mas a existência da Casa da Livraria é referida numa ata de 12 de fevereiro de 1513, quando a instituição funcionava em Lisboa.

O início das comemorações esteve marcado para 12 de fevereiro, mas, "por ser dia de Carnaval", deverá adiado para outro dia dessa semana, em articulação com a Reitoria da Universidade e com o membro do Governo que for indicado para participar na sessão inaugural, disse à agência Lusa José Augusto Bernardes.

O programa provisório foi apresentado hoje, na sala de S. Pedro da Biblioteca Geral, com intervenções do diretor da BGUC e do reitor da Universidade de Coimbra (UC), João Gabriel Silva.

De abril a outubro, com apoio das unidades de investigação da UC, realiza-se a iniciativa "Conversas da Biblioteca", destinada à comunidade académica em geral, que visa "problematizar as relações conceptuais e funcionais" da BGUC com escritores e investigadores seus utentes e "com temáticas contíguas", designadamente a memória e a interdisciplinaridade.

Ao promover o congresso internacional, em janeiro de 2014, a BGUC, segundo o diretor, pretende que os especialistas possam "refletir sobre o presente e o futuro" das bibliotecas que servem públicos universitários.

O congresso incluirá cinco mesas-redondas, cinco sessões com "testemunhos sobre a utilização de bibliotecas" e três conferências plenárias.

Ao longo de um ano, o programa compreende duas exposições: "A Biblioteca em fotografias", que terá como comissário o investigador Alexandre Ramires, e "Quinhentos anos de relações Portugal/China", a organizar em colaboração com o Museu da Ciência e o Arquivo da Universidade.

"Em 1513, como em 2013, as grandes missões da Universidade não podem cumprir-se sem o apoio de uma grande e boa Biblioteca Geral", enfatizou José Augusto Bernardes.

Ao longo de um ano, a BGUC celebra "a existência de uma biblioteca rica e não apenas extensa e isso constitui motivo de contentamento", adiantou.

Realçando que a Internet "está cheia de lixo", o reitor defendeu que "o caráter central do conhecimento está contido nos livros", mais do que nos suportes digitais.

A digitalização de 500 obras antigas da BGUC é outras das iniciativas do programa, que inclui ainda espetáculos de música e teatro, atos memoriais, reedições e edições.

Nenhum comentário: