31 de mar de 2015

Biblioteca Pública do Rio Grande do Norte em reforma

Fonte: Tribuna do Norte. Data: 26/03/2015.
Autoria: Yuno Silva.
URL: http://tribunadonorte.com.br/noticia/biblioteca-a-espera-de-uma-a-canetadaa/309488
A estudante Regina Azevedo, 15, autora festejada da novíssima geração de poetas do RN, com dois livros publicados pela editora Jovens Escribas, nunca foi à Biblioteca Pública Câmara Cascudo por falta de oportunidade. O lugar entrou em declínio em 2007, desde 2008 foi feito um diagnóstico apontando problemas e necessidades e suas portas estão fechadas para o público há três anos – Regina se engajou no universo literário no final de 2012. “Sempre. O livro precisa cumprir seu papel: o de ser lido. As bibliotecas públicas vêm como incentivo. Uma verdadeira ponte, super necessária”, respondeu, ao ser questionada se ainda haveria espaço para bibliotecas nesses tempos de smartphone, Google e Wikipedia. Reação diferente — e irônica — teve um anônimo que pichou no tapume na fachada da biblioteca, com os dizeres: “Precisa mais abrir não, nós só quer TV”.
Com reforma parada desde outubro do ano passado, a maior biblioteca pública do Rio Grande do Norte, com seu acervo composto por mais de 100 mil volumes, aguarda um parecer do Ministério da Cultura autorizando a continuidade da obra orçada em R$ 1,5 milhão – sendo R$ 1,1 milhão do MinC e R$ 400 mil do Governo do RN. O prazo para conclusão da reforma era maio deste ano.
Detalhe: o recurso está todo disponível, depositado em conta específica, que só pode ser utilizado quando autorizado pela Diretoria de Programas Especiais de Infraestrutura Cultural (DINC), setor coordenado por Germano Andrade Ladeira. O gestor precisa assinar parecer técnico que avalia os ajustes no projeto executivo.
A reportagem do VIVER busca detalhes sobre o assunto desde o início da semana, mas esbarrou no tripé ‘informações incompletas, má vontade e o crônico jogo de empurra-empurra de responsabilidades’. É com esse expediente de descaso que o Ministério da Cultura vem tratando a reforma da BPCC, onde o tema “obras paradas” parece blindado e ninguém está autorizado a prestar qualquer esclarecimento sem passar pela assessoria de imprensa do MinC.
O procedimento é compreensível, porém o setor de Comunicação do Ministério precisa ser acionado pela DINC para dar retorno aos questionamentos: onde, afinal, o processo de reforma da Biblioteca está emperrado e quando a reforma será reiniciada?

(...)

Nenhum comentário: