3 de nov de 2013

Biblioteca da Penitenciária de Itajaí (SC)


Fonte: Moacir Pereira. Data: 1/11/2013.

URL: http://wp.clicrbs.com.br/moacirpereira/2013/11/01/biblioteca-na-penitenciaria-de-itajai/?topo=67,2,18,,,22

 “A inauguração de uma biblioteca nunca foi tão marcante na vida desses 530 homens”. Atrás das grades, no Complexo Penitenciário do Vale do Itajaí, eles encontram na literatura uma oportunidade de fugir: descobrir outros mundos, viver outra vida, conhecer outras histórias. Ou, simplesmente, encontrar estímulo para recomeçar diferente. “Esse tempo que estou aqui já viajei para diversos países”, testemunha Marino Ribeiro da Silva Júnior, que há dois anos e sete meses está recluso. Natural de Balneário Camboriú, ele apaixonou-se pelos livros e agora, prestes a reencontrar a liberdade, quer dedicar-se ao hábito que adquiriu.

Nas prateleiras do container, que serve de sala de leitura, estão aproximadamente 500 títulos, de autores diversos. Para ter acesso ao acervo, antes, os detentos precisam passar por uma comissão que avalia não apenas o comportamento, como também a necessidade individual de cada um. Assim, os técnicos conseguem perceber que tipo de leitura é mais adequada e podem até orientar melhor, já que existem dois módulos: um para a remição da pena e o outro por hobby.

Assim como foi possível na vida de Júnior, os agentes penitenciários, o Poder Judiciário e a comunidade local esperam que outros apenados encontrem um novo caminho. Mais do que punir por um crime, o objetivo é ressocializar. “Esse projeto busca formar valores, para que essas pessoas possam conviver com suas famílias novamente”, define o juiz de Direito Pedro Walicoski Carvalho, durante a cerimônia de abertura, dia 18 de outubro. O magistrado atua na Vara de Execuções Criminais e é corregedor de todo complexo penal.

O projeto Biblioteca Container Páginas de Liberdade é uma iniciativa do Instituto de Estudo e Pesquisas sobre a Violência e Criminalidade de Itajaí (IEPES) em parceria com a Vara de Execuções Penais da Comarca e a Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania. Na inauguração, estavam presentes também o conselho local da comunidade e lideranças políticas da região.

“A implantação é um degrau dentro de uma longa caminhada que precisamos trilhar. Por isso, precisamos de apoio e ajuda para dar continuidade”, expõe o gerente de Saúde, Ensino e Promoção Social, Rafael Fachini. Com apenas 26 anos, ele tem usado a vontade de mudança, própria da juventude, para superar obstáculos e construir uma política assistencial importante dentro da unidade. Isso porque a biblioteca é só uma parte, de todos os projeto e iniciativas que são implantadas em favor da reeducação dos presos.

Roberto Rogério Formolo está na unidade há quatro anos. Tímido e muito religioso, foi escolhido para atender, cuidar do espaço, da manutenção dos livros e dos cadastros. Depois de muita leitura, sobretudo dos títulos religiosos, ele passou por um treinamento e agora se sente preparado para desempenhar a função. Em primeiro lugar está a bíblia. Só depois, pela influência do tempo que trabalhou como vendedor, ele indica a leitura do livro “O monge e o executivo”, do escritor James Hunter.

A cada 30 dias de leitura comprovada são reduzidos quatro dias da pena. Para isso, o reeducando deve apresentar, para uma comissão, uma resenha com os principais pontos da narrativa. Todo o projeto pedagógico é acompanhado por professores que analisam o aproveitamento real, antes de enviar o pedido de remição à promotoria, que, posteriormente, é apreciado pelo juiz. “

Nenhum comentário: